Ao longo de 2014, a Glaston teve sólidas vendas de fornos de têmpera FC500 no mercado do Reino Unido. O contrato mais recente assinado no início de dezembro com o European Glass Group é para mais duas linhas FC500, uma das quais será o maior forno FC500 que Glaston vendeu até o presente. Este acordo agora totaliza o número de fornos Glaston vendidos este ano só no Reino Unido em 11 unidades.

De acordo com Steve Brammer, gerente de vendas da Glaston para o Reino Unido e Irlanda, o sucesso de vendas incrível da linha de têmpera Glaston, e o FC500 em particular, é um reflexo das últimas tendências em processamento de vidro no Reino Unido e outros mercados globais.

Estamos notando uma demanda forte de processadores de vidro para investir em seus equipamentos e garantir a entrega de um produto final de melhor qualidade e também temperar tamanhos maiores de vidro. Requisitos foram evoluindo rapidamente, e os produtores de vidro estão vendo o potencial de negócio ao fornecer aos clientes um desempenho avançado de produtos de vidro”, diz ele.

Os principais incentivos para processadores de vidro do Reino Unido são a crescente demanda por melhor qualidade, tamanhos maiores, uma variedade crescente de tipos de vidro, impacto ambiental reduzido e consumo de energia muito menor, assim como a expansão em produtos de vidro mais sofisticados e avançados.

“Também estamos notando que o tamanho médio do forno novo está aumentando dramaticamente, onde 8 dos 11 fornos vendidos tinham uma plataforma de 2800 mm x 6000 mm ou maiores”, destaca Steve.

A beleza do conceito do FC500 é que a qualidade do vidro sendo produzido permanece constante, independentemente se o cliente está processamento tamanhos de janelas domésticas de 4 mm ou plataformas cheias de tipos de vidro de alto desempenho. Mudar de um tipo de produto para outro é descomplicado. O forno oferece facilmente os níveis de flexibilidade exigidos por processadores de vidro modernos.

Lançado em 2011, o forno de têmpera Glaston FC500  oferece aos clientes uma maneira de aumentar a capacidade de produção em até 40%, enquanto diminui o consumo de energia em 30%. O forno também permite que os processadores de vidro expandam para novas áreas, incluindo a têmpera de vidro Low-E, que antes não eram produzidos com as linhas existentes.

Steve Brammer Glaston UK
Steve Brammer Glaston UK