De onde viemos, para onde vamos

A cerimônia de abertura da conferência dos 25 anos do Glass Performance Days (GPD), que ocorreu na TähtiAreena de Tampere em 28 de junho, foi repleta de música, fogos de artifício e apresentações de alta energia para apoiar o espírito que torna o GPD tão único. Combinando a tradição com um olhar para o futuro, um grupo impressionante de palestrantes abordou a indústria do vidro por múltiplos ângulos. A apresentação esclarecedora de cada palestrante comparou os últimos 25 anos com o que pretendemos para os próximos 25 anos. Mais de 650 especialistas internacionais, recém-chegados, mentores e investidores se reuniram para lançar o principal evento mundial da indústria do vidro.

O GPD organizado pela Glaston celebrou seu aniversário de prata com um tema de “All Eyes on Glass” (Todos os olhos voltados para o vidro) no mesmo ano em que a Finlândia celebra seu centésimo aniversário. Ao longo dos anos, o evento tornou-se conhecido por toda a indústria do vidro como um local para a apresentação de novas tecnologias, distribuição de informações, encontro, partilha e redes para proporcionar avanços para a indústria do vidro. Desde o primeiro evento em 1992, a GPD teve mais de 1.000 palestrantes internacionais, 14.000 participantes, 3.000 apresentações e 10.000 páginas de documentos técnicos.

O palestrante principal Esko Aho, ex-primeiro-ministro da Finlândia, apelou à necessidade de uma mudança gradual na indústria do vidro. Ele comparou as semelhanças da mudança transformacional no governo e nos negócios, destacando a necessidade de um equilíbrio contextual e conceitual. Ele usou a Nokia como um exemplo de uma empresa que criou sua própria história de sucesso transformacional ao prever o futuro à frente de todas as outras empresas. Como um bom caso para o governo, Aho mencionou a China. Ninguém teria acreditado que o conceito orientado para o futuro, escolhido em 1978, permitisse que a China fosse hoje o principal oponente dos EUA. Ele concluiu dizendo: “Uma pessoa é jovem enquanto ele ou ela tem mais sonhos do que memórias”, e incentivou todas as empresas a olhar para o futuro para aproveitar o sucesso.

De acordo com o fundador do GPD, Jorma Vitkala, presidente do Comitê organizador, dois novos programas foram lançados este ano para impulsionar a indústria. O programa Step Change (Mudança gradual) aceita a colaboração com startups para desencadear um desenvolvimento mais rápido da indústria através de novas tecnologias. O programa Mentor and Ambassador (Mentor e Embaixador), ou o “Old Foxes Club” (Clube das Velhas Raposas), tem como objetivo transmitir conhecimento para a próxima geração para garantir o talento para o crescimento sustentável.

Arto Metsänen, CEO e presidente da Glaston, desafiou o público perguntando se queremos fazer parte da grande transformação. Existem milhões de ideias na indústria do vidro – mas como podemos escolher aquelas que melhoram nossas vidas e são comercialmente viáveis? Todos temos de trabalhar juntos para atingir esse objetivo. Precisamos estar dispostos a correr riscos.

James Carpenter, fundador da James Carpenter Design Associates Inc., apresentou um resumo dos edifícios históricos construídos com vidro nos últimos 25 anos. Sua apresentação intitulada “Light in the Public Realm” (Luz no domínio público) mostrou como a pele de vidro do edifício pode se tornar uma parte de nossas vidas, capturando e refletindo o meio ambiente. “Há tantas oportunidades de usar informações digitais em edifícios para permitir uma experiência muito mais rica a ser desfrutada por todos nós”, aconselhou.

Como a “sobremesa da Cerimônia de abertura”, como ele se autoapelidou, Michael Robinson, CEO e diretor de design, ED Design srl., olhou para o vidro a partir de outra perspectiva: acrescentando a realidade aumentada. Ele debateu sobre como paredes de cortina de vidro ultrafinas podem ser usadas para carros, mesmo quando os volantes e a gasolina estiverem proibidos. “Os carros podem se tornar mais atraentes novamente porque eles terão vidros inteligentes, e não vidros normais”, afirma. E a mesma tecnologia pode ser aplicada em casas ou aviões para moldar a nossa realidade circundante usando a tecnologia digital. “Mesmo que isso possa parecer um objetivo ambicioso, podemos vender várias vezes mais vidros do que o que vendemos hoje se seguirmos esse caminho”, declarou.

Um dos outros palestrantes fascinantes foi Bernard Savaëte, fundador da BJS Différences, que deu a sua própria visão como “Velha Raposa” dos últimos 25 anos com numerosas expectativas para as macrotendências, produtos de vidro e novos mercados nos próximos 25 anos. Jingong Pan do CBMC Research Institute na China também apresentou algumas das realizações notáveis em que trabalharam, especialmente em se tratando de economias de energia e redução de emissões usando o vidro.

Como uma surpresa especial, o primeiro prêmio Jorma Vitkala foi concedido a ninguém menos que: Jorma Vitkala. Convidados de todo o mundo enviaram mensagens de vídeo cheias de gratidão ao homem que iniciou tudo isso e teve energia para continuar inovando o GPD para se tornar o principal evento na indústria do vidro um quarto de século depois.

GPD 2017 Opening ceremony